O profissional de TI – perfil do profissional de tecnologia da informação

A tecnologia da informação é composta de diversas áreas de especialização. O
contexto do presente trabalho é a área de desenvolvimento de sistemas, especialidade da
ACME, empresa na qual foi realizado o estudo de caso. Mesmo reduzindo o escopo a esta
área, existem ainda sub-áreas de especialização tais como o tipo de linguagem de
programação em que o sistema será desenvolvido, o tipo de computador onde o sistema será
instalado e o seu respectivo sistema operacional. Assim, o objeto de estudo são os
profissionais de TI envolvidos no ciclo de vida do desenvolvimento de um sistema de
informação genérico.
A pesquisa de Crepeau et al. (1992) identificou várias orientações (ou âncoras) que os
profissionais de TI consideram na percepção do seu ambiente profissional, que influenciam a
tomada de decisões: a) competência gerencial e técnica; b) identidade, c) serviço, d)
segurança e estabilidade organizacional; e e) variedade. A idéia das âncoras ou orientações
tem como propósito a realização das percepções internalizadas em cada indivíduo do que é ser
um profissional de TI. As âncoras de carreiras representam um padrão de percepções
individuais sobre talento, motivos, e valores que dão forma ao comportamento e às decisões
relacionadas à carreira, independentemente do seu grau de aderência à realidade dos fatos
(DeLONG , 1983 apud CREPEAU ET AL., 1992).

O profissional de TI - perfil do profissional de tecnologia da informação

O profissional de TI – perfil do profissional de tecnologia da informação

Em seu estudo, Crepeau et al. (1992) utilizaram as definições de âncoras de Schein
(1978) e DeLong (1982), a saber:
• Competência gerencial – representa a necessidade de ser competente nas atividades
associadas ao gerenciamento, como o perfil para análise de problemas, estabilidade
emocional e habilidade para relacionamento interpessoal;
• Competência técnica – está associada à motivação pelo desafio relativo a um campo
técnico, uma área funcional ou conteúdo técnico de um trabalho;
• Segurança e Estabilidade Organizacional – simboliza o desejo em trabalhar numa
organização que proporcione benefícios e estabilidade em longo prazo;
• Criatividade e Empreededorismo – envolve a necessidade de criar algo, de participar de
novos projetos;
• Autonomia e Independência – envolve a necessidade do indivíduo de se sentir livre para
procurar novas competências profissionais e técnicas;
• Identidade – se refere ao desejo de status e prestígio em trabalhar em determinadas
companhias ou organizações;
• Serviço – se refere a preocupação em ajudar pessoas ou testemunhar resultados e
mudanças advindas de esforços;
• Variedade – se refere ao desejo de tomar desafios diferentes.
Conforme propõe Crepeau et al. (1992), estas âncoras deveriam orientar a gerência de
RH das empresas para: 1) planejar as carreiras de TI; 2) orientar os profissionais de TI nas
suas carreiras; e 3) incentivar a comunicação adequada sobre evolução profissional. Embora
existam evidências de que empresas de TI necessita rever a gestão de seus profissionais, a
falta de atenção para estas questões permanece. Esta revisão, conforme será detalhado nas
conclusões do presente trabalho, deverá considerar não só os aspectos técnico e gerencial, mas
também os valores que os profissionais de TI usam para compor suas percepções e atitudes.

TEXTO POR: Valter Moreno, Flavia Cavazotte e Eduardo de Farias

Atenção antes de comentar

  • Verifique se a sua pergunta já foi feita por outro visitante. Não respondemos perguntas duplicadas.
  • O prazo médio para respondermos é de 7 dias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *