Desenvolvimento dos relacionamentos entre comprador e vendedor – Trade Marketing (b2b)

As teorias e a prática do marketing focam-se principalmente nas trocas entre compradores e vendedores. Por muito tempo a pesquisa em marketing praticamente ignorou o aspecto do relacionamento do comportamento comprador-vendedor, por considerar equivocadamente as transações como um evento isolado.

A relação comprador-vendedor deve ser considerada relacionamento contínuo, e não um evento isolado. Para isso, a atenção a condições e processos precedentes das relações de troca comprador-vendedor representa um fator importante para o desenvolvimento do marketing.

Os relacionamentos entre comprador e vendedor podem assumir muitas formas diferentes. Arndt (1979) observou a tendência da troca organizacional a ficar circunscrita por associações de longo prazo, relações contratuais e propriedade conjunta. Apelidando esse fenômeno de “mercados domesticados”, ele argumentou que dentro de tais relacionamentos “as transações são planejadas e administradas em vez de serem realizadas caso a caso.” (Arndt, 1979, p.70)

A base de uma forte clientela (ou do ponto de vista do comprador, de uma confiável equipe de fornecedores) está no distanciamento em relação à ancora da singularidade. Um clientela forte depende da natureza do contrato relacional entre um comprador e um vendedor. A troca relacional se dá com o tempo: cada transação precisa ser vista em termos de seu histórico e do futuro para ela previsto. As bases da colaboração futura podem ser sustentadas por premissas implícitas e explícitas, confiança e planejamento. É de se esperar que os participantes de uma troca relacional obtenham satisfação complexa, pessoal e não econômica, e se envolvam em trocas sociais.

Quando se fala em aspectos relacionais, a incerteza leva a uma comunicação mais aprofundada, surgem os rudimentos de planejamento cooperativo e a antecipação de conflitos, e as expectativas de confiabilidade podem ser afetadas por características pessoais.

A troca relacional pode oferecer uma vantagem competitiva na medida em que contribui para a diferenciação do produto e cria barreiras à mudança (Day e Wensley, 1983). Apesar dessa importância, muitas vezes o vendedor esquece de gerenciar seus relacionamentos com clientes.

Levitt (1983, p. 111), nota que a atividade de troca normalmente se intensifica após a venda inicial. Segundo ele, “a venda simplesmente serve para consumação do “namoro” entre comprador e vendedor. Então tem início o casamento. O quanto esse casamento será bom vai depender de como o vendedor administra o relacionamento”.

Um relacionamento entre vendedor e comprador tem como vantagens a menor incerteza, dependência administrada (Spekman, Strauss e Smith, 1985), eficiência de troca e satisfação social derivada da associação. Acima de tudo isso está a possibilidade de ganhos significativos das decisões conjuntas, e conseqüentemente também das individuais, por causa da comunicação eficaz e da colaboração para a consecução de metas.

A percepção do comprador quanto a eficácia da relação de troca, portanto, representa uma barreira significativa à mudança e, para o vendedor, uma vantagem competitiva que o isola da competição em preços.

É possível, contudo, que os custos efetivos ou previstos superem os benefícios da troca relacional, pois ela exige manutenção. Partes que estejam sujeitas a metas altamente divergentes podem despender recursos econômicos e psíquicos consideráveis nos processos de barganha e conflito. Ainda maiores podem ser os custos de oportunidade de trocas prévias com parceiros alternativos. Por exemplo: um fabricante de camisas que atrele 25% da capacidade do ano seguinte a uma margem de 20% pode impedir a si mesmo de obter outra grande encomenda à margem de 25%.

Diferente de Levitt (1983), que considera o vendedor responsável pela administração da relação, teorias modernas tratam esse relacionamento como sustentado bilateralmente.

Resumo do artigo Desenvolvimento dos relacionamentos entre comprador e vendedor de F. Robert Dwyer (University of Cincinnati), Paul H. Schurr (University at Albany), Sejo Oh (Yonsei University)

Você pode gostar também de ler...

One thought on “Desenvolvimento dos relacionamentos entre comprador e vendedor – Trade Marketing (b2b)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *